São Paulo tem cerca de 10% dos pacientes com covid-19 em UTI

O secretário estadual da Saúde de São Paulo, José Henrique Germann, afirmou nesta terça-feira (24) que 70 pacientes com covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) estão em UTI.

Isto representa 9,4% das 745 pessoas com diagnóstico confirmado até a tarde de ontem. 

O patamar de casos considerados graves, que requerem terapia intensiva, está dentro do que se observa ao redor do mundo (de 10% a 15%). 

São Paulo é o estado com maior número de pessoas com diagnóstico de covid-19 confirmado.

Em todo o país, são 1.891. Os óbitos chegaram a 34, sendo 30 em São Paulo. Nas 24 horas, entre domingo e segunda-feira (23), SP registrou oito mortes por coronavírus, incluindo a de um homem de 33 anos com problemas de saúde anteriores. 

Os demais óbitos que constam no boletim mais recente do estado são de pessoas com idades entre 68 e 88 anos. 

Estrutura
Estão sendo montados dois hospitais de campanha na capital, um no estádio do Pacaembu, com 200 leitos, e outros no centro de convenções do Anhembi, com capacidade para receber até 1.800 pacientes.

Estes locais vão ser destinados a casos de menor gravidade, mas que requerem observação médica. 

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP vai ter disponíveis, a partir de sexta-feira (27), 900 leitos exclusivos para internações por covid-19.

“O maior complexo hospitalar da América Latina abre 900 leitos para tratar pacientes de coronavírus a partir de sexta. Já temos 200 leitos em UTI prontos e mais 700 leitos estarão disponíveis até 10 de abril”, afirmou o governador João Doria, na segunda-feira. 

No entanto, a recomendação do governo é para que as pessoas com sintomas gripais e febre procurem primeiro as unidades básicas de saúde próximas de suas casas.

Em caso de necessidade elas serão encaminhadas para o Hospital das Clínicas.

Para testar o maior número possível de casos suspeitos, o estado conseguiu, junto ao Instituto Butantan e à Universidade de São Paulo, montar uma estrutura laboratorial capaz de realizar até 2.000 exames por dia. 

Na capital, foi criada uma rede com cinco centros de triagem para coronavírus: no Instituto Emílio Ribas, no Complexo Hospitalar do Mandaqui, no Hospital Geral de Vila Penteado, no Hospital Ipiranga e no Hospital Geral de Guaianazes.

Quarentena
Começou a valer hoje para todos os municípios paulistas a quarentena determinada pelo governo para conter o avanço do coronavírus.

Até 7 de abril, só podem funcionar estabelecimentos considerados de serviços essenciais, como supermercados, farmácias e hospitais. O transporte público e intermunicipal está mantido. 

A capital paulista amanheceu com ruas vazias, lojas fechadas e poucas pessoas nos ônibus, metrô e trens urbanos. 

A médica Helena Sato, que substitui David Uip na coordenação do comitê criado pelo governador para conter o avanço da pandemia, falou hoje sobre a necessidade de as pessoas ficarem em casa.

"Enquanto essa vacina não vem, temos sim que tomar medidas drásticas. Contra o coronavírus não há meias palavras. [...] As pessoas não entendem a importância de ficar em casa".

Uip foi diagnosticado na segunda-feira com o novo coronavírus, após apresentar febre baixa e tosse, e permanece em isolamento domiciliar.

Doria, o prefeito da capital, Bruno Covas, e Germann fizeram testes também e os resultados foram negativos. 

As Informações são do R7

Mais Notícias