Com nova piora de índices de saúde, governo de SP confirma reclassificação do plano da quarentena para sexta-feira

Após mais uma semana de piora nos indicadores da Covid-19 em São Paulo, a gestão João Doria (PSDB) confirmou que fará nesta sexta-feira (22) uma nova reclassificação das regiões do estado no plano que estipula as regras da quarentena.

Segundo o Plano São Paulo, podem ser rebaixadas para fases com regras mais restritivas da quarentena as regiões que apresentam grande aumento semanal de novas internações, mortes, casos ou taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

"Na próxima sexta-feira iremos anunciar uma nova reclassificação do Plano São Paulo. São esses índices que mostram que algumas regiões precisam de uma atenção especial para continuar garantindo assistência à saúde", disse o secretário de Saúde do estado, Jean Gorinchteyn, em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (20).

"As restrições de horários e serviços têm como objetivo diminuir a circulação das pessoas e, com elas, do vírus."

Apesar de destacar o aumento da ocupação de leitos de UTI no interior e na Grande São Paulo, o governo não antecipou quais são as regiões que devem mudar de fase.

"Tivemos como taxa de ocupação em leitos de UTI na Grande São Paulo um aumento significativo em números percentuais, especialmente de 5 de janeiro até 19 de janeiro, em que passamos de 65% para 70,5%. No interior e no litoral essa média foi maior, [subiu] cerca de 10% do início de janeiro até dia 19 de janeiro, mostrando nitidamente a franca expansão da pandemia principalmente no interior. O estado como um todo teve um incremento de 8% nas taxas de ocupação de UTI", disse o secretário.

Nesta terça-feira (19), coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, Paulo Menezes, já havia adiantado que a piora nas taxas de ocupação de UTI poderia levar ao rebaixamento da Grande São Paulo, que inclui a capital, e da região de Sorocaba.

Nesta quarta, a taxa de ocupação de leitos de UTI é de 70% em todo o estado e de 70,5% na Grande São Paulo, considerando a média das 39 cidades que compõem a região.

Mortes e casos em alta
O estado já registra média diária de mortes por Covid-19 acima 200 há 12 dias seguidos, o que não acontecia desde setembro de 2020. Tanto os novos óbitos quanto os novos casos de coronavírus estão com tendência de alta há 13 dias. Nesta terça, SP ultrapassou a marca de 50 mil mortes provocadas pela doença.

A média móvel de mortes diárias, que considera os registros dos últimos sete dias, é de 238 nesta quarta-feira (20). O valor é 54% maior do que o registrado há 14 dias, o que para especialistas indica a tendência de alta da epidemia. Como o cálculo da média móvel leva em conta um período maior que o registro diário, é possível medir de forma mais fidedigna a tendência da pandemia.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, foram contabilizadas 334 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, elevando o total desde o início da pandemia para 50.652. Já o total de casos confirmados da doença subiu para 1.658.636, considerando os 14.411 novos registros nas últimas 24 horas.

As informações são do G1.

Mais Notícias