Jovem venceslauense recebe alta após passar 40 dias internado devido ao coronavírus

Diante de tantas tragédias relacionadas ao coronavírus em todo o mundo, agora você vai conhecer uma história de força e superação. Felipe Gomes de Novaes, um jovem venceslauense de 24 anos, recebeu alta no dia 8 de fevereiro após passar 40 dias internado em um hospital na cidade de Presidente Prudente com um quadro de complicações provocadas pela covid-19.

Foram dias difíceis, intubação, o pulmão do jovem chegou a ficar com 70% de comprometimento, mas ele venceu a luta e hoje se recupera da doença.

A equipe de reportagem do PORTAL BUENO entrou em contato com Maria Aparecida Gomes Novaes, 60, e José Antônio de Novaes Netos, 59, pais do Felipe para saber como foi essa história de luta pela vida.

No dia 20 de dezembro de 2020, Felipe começou a ter febre e teve que esperar três dias para fazer o exame da Covid-19. No dia 23 do mesmo mês ao realizar o exame que deu positivo, o jovem estava bem apesar da febre que tinha todos os dias. “Ele ficou isolado no quarto, a gente levava comida e deixava na porta, até o banheiro ele usava separado”, comenta Maria.

Logo quando testou positivo, seus pais o levaram ao médico e foi feita uma tomografia, e ele já estava de 5% a 10% do pulmão comprometido, foi medicado e seguiu isolamento em casa.

No dia 28 de dezembro de madrugada teve febre novamente e os pais levaram Felipe para o hospital em Presidente Prudente. Chegando lá foi realizada outra tomografia que indicou que o pulmão de Felipe já estava 50% comprometido devido ao coronavírus. Imediatamente ele foi internado.

Em 30 de dezembro o hospital ligou para os pais informando que tinha avançado para 70% do pulmão e o jovem seria levado para a UTI e intubado. “Desde esse dia nós não vimos mais o Felipe. Foram dias angustiantes, todos os dias às 17h30 o pessoal do hospital ligava falando que ele estava com o quadro sem evolução“, afirma o pai.

No dia 21 de janeiro de 2021, após dias sem reagir ao tratamento, os pais de Felipe receberam uma ligação informando que ele tinha reagido positivamente e dentro de 48h iria para o quarto. “Os primeiros cinco dias foram bem difíceis, ele não sabia onde ele estava, não falava e o corpo sofria com a falta da sedação. Um dia você fala e de repente um dia você acorda, não consegue falar, está com uma traqueostomia, ele ficou bem confuso”, ressalta José.

Conforme o passar dos dias, Felipe foi se recuperando aos poucos com a ajuda de fisioterapia. No dia 08 de fevereiro, após 40 dias internado, ele recebeu alta hospitalar e retornou para Presidente Venceslau, onde foi recebido pelos amigos e familiares com muito carinho. “Graças a Deus foram muitas orações, tivemos muito apoio de todas as religiões e nós também, joelho no chão. Só assim conseguimos ter força para enfrentar esse momento de dificuldade”, conta a mãe.

Após passar uma semana em casa, Felipe diz se sentir bem e que não sente nenhuma dor. “Nos primeiros dias, qualquer andada eu já tinha que sentar para respirar e descansar. Agora eu consigo fazer minhas coisas com mais tempo. A fisioterapia também está ajudando bastante”, afirma.

Complicações
Felipe é um jovem de 24 anos que teve complicações provocadas pela Covid-19, um dos motivos que pode ter ocasionado essas complicações em sua recuperação foi o uso do narguilé.

Segundo a doutora Liz Almeida, do INCA (Instituto Nacional do Câncer), um dos maiores problemas do narguilé é a longa exposição ao tabaco. Dependendo do tamanho do aparelho e da durabilidade da sessão, o ato pode equivaler a fumar mais de 100 cigarros, o que pode levar ao desenvolvimento de câncer de pulmão e doenças respiratórias.

João, pai de Felipe, faz um apelo aos pais para que fiquem atentos com seus filhos quanto ao uso do narguilé. “As pessoas não acreditam no coronavírus e não sabem como é triste. Fica doente o paciente e as pessoas mais próximas do paciente”.

Mais Notícias