Intervalo entre doses da Pfizer vai ser de 21 dias, diz Ministério da Saúde

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, disse que o intervalo entre as doses da vacina da Pfizer vai diminuir de 3 meses para 21 dias como estabelece a própria bula. No Brasil, o tempo estendido tem a justificativa de que ajudaria a vacinar mais pessoas com a primeira dose em um intervalo de tempo menor contrariando, assim, a bula do imunizante.

“Precisa ver qual é o melhor timing disso, mas que vai diminuir, vai. A gente está só vendo com CONASS e CONASEMS, na tripartite, para gente ver qual é a melhor data para diminuir o prazo de 3 meses para 21 dias. Então, encurtando o prazo ficando o mínimo pontuado pela Pfizer”, explicou Rodrigo Cruz à imprensa. Ele afirmou que o laboratório também está sendo ouvido para a decisão considerar o abastecimento e os cronogramas de chegada e de distribuição.

Sendo assim, a espera deve acabar nos próximos dias, com a definição das doses de agosto.

Sobre a AstraZeneca, o secretário diz que, sim, tem a possibilidade na bula de diminuir de 12 semanas para até 4 semanas, mas o foco do Ministério da Saúde é a Pfizer. “Porque tecnicamente, tem se mostrado mais interessante, em termos de resposta imunológica, manter o prazo mais extenso”, concluiu.

Testagem em massa
Para tentar controlar as novas variantes, inclusive a delta, o Ministério da Saúde está fechando uma estratégia com a Fiocruz, que deve produzir de “10 a 12 milhões de testes por mês”. “Testagem é fundamenta para controlar o vírus e ter a liberação das atividades econômicas”, finalizou Rodrigo.

Mais Notícias