Vacinação infantil não será exigência para volta às aulas no Estado de SP

O secretário de Saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse que a vacinação não será uma exigência para que as crianças retornem às aulas. A afirmação foi feita em entrevista para a CNN Brasil nesta quinta-feira (13).

Entretanto, o secretário reiterou que o ambiente escolar segue todas as medidas de segurança sanitária, e acrescentou que 84% dos pais do estado de São Paulo pretendem vacinar seus filhos.

“Temos 86% de pais na grande São Paulo e 84% no estado que irão vacinar seus filhos, sem dúvida nenhuma uma adesão bastante significativa, deveria ser maior, mas para nós é bastante importante. Não condicionamos a volta às aulas com o processo vacinal, todos os professores estão devidamente imunizados, as escolas são cenários de proteção”, disse o secretário.

A primeira remessa de doses da vacina infantil da Pfizer contra a Covid-19 chegou ao Brasil na madrugada desta quinta-feira (13). No lote estão 1,2 milhão de vacinas que serão destinadas ao governo brasileiro para distribuição aos estados e municípios, seguindo o critério populacional.

Segundo Jean Gorinchteyn, o estado de São Paulo receberá do Ministério da Saúde um “quantitativo pequeno” de vacinas infantis.

“Ficamos com o quantitativo muito pequeno, são 248 mil doses da vacina da Pfizer, quando, na verdade, nós temos a necessidade de 4,3 milhões doses para proceder a proteção e imunização das crianças de 5 a 11 anos de idade”, disse.

De acordo com o secretário, o estado aguarda a liberação das vacinas, que serão analisadas pelo Instituo Nacional de Qualidade, para dar início à “distribuição imediata” aos 645 municípios paulistas.

As informações são da CNN Brasil.

Mais Notícias